• Os sistemas de segurança não podem estar sujeitos a fácil burla; 
  • No monitoramento de atuadores de segurança (chaves, cortinas de luz, etc) pode-se usar CLP ou Relé de segurança, conforme viabilidade técnica; 
  • Toda a sinalização de segurança de máquinas, bem como seu manual de instruções, deve estar em português do Brasil;
  • As ações tomadas na segurança de equipamentos não podem oferecer riscos adicionais;
  •  Os dispositivos que compõe o sistema de segurança devem ser específicos de segurança, contendo sua categoria de aplicação e certificação;
  • O reset dos dispositivos de segurança deve ser manual; 
  • Não se pode utilizar disjuntores, chaves tripolares, etc. no acionamento de motores;
  • Nas áreas de risco onde se tenha acesso por mais de uma vez no turno, as proteções devem ser móveis; 
  • Nas áreas de risco, onde se tenha movimento por inércia, deve-se ter dispositivo de gerenciamento de inércia e chave de segurança com travamento, sendo liberada apenas após o término do movimento;
  • As máquinas devem conter plano de manutenção preventiva e corretiva; 
  • Os operadores, bem como a equipe de manutenção devem ser treinados e capacitados antes de assumirem seus postos de trabalho;
  • Os comandos bimanuais não devem liberar o sinal de saída se a diferença entre as entradas for superior a 0,5 segundos; 
  • Quando o equipamento não possuir documentação técnica, o proprietário deverá constituí-la através de profissional legalmente habilitado e emitir ART (anotação de responsabilidade técnica);
  • 12.134. É proibida a fabricação, importação, comercialização, leilão, locação, cessão a qualquer título, exposição e utilização de máquinas e equipamentos que não atendam ao disposto nesta; 
  • A análise de risco pode ser realizada utilizando a norma da ABNT NBR 14153, este trabalho deve ser elaborado por um profissional legalmente habilitado.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *